• RIBEIRO
  • Rose Vision
  • DENTE
  • GS
  • SUPERZOM
  • H Calcadhus

DESPEDIDA DE LÉO MOURA DO FLAMENGO COM MUITA EMOÇÃO

Dez anos, 519 jogos e 47 gols depois, o lateral Léo Moura viu o refletor do Estádio do Maracanã apagar, mas as lembranças vão seguir vivas na memória. Aos 36 anos, ele deixa o Flamengo rumo ao Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos.

O dia 4 de março de 2015 ficou marcado como a despedida de Léo Moura com a camisa rubro-negra. Nesta quarta-feira, no Maracanã, o camisa 2 realizou a última partida pelo clube, que venceu o Nacional, do Uruguai, por 2 a 0. Confira como foi o jogo em detalhes.

Para coroar as dez temporadas em que fez do Flamengo a sua segunda pele, o lateral recebeu uma série de homenagens na partida contra o Nacional. Antes do jogo, ele entrou em campo com as filhas e coberto por uma enorme bandeira em formato de coração.

Mascote do Flamengo na infância e fã do craque Zico, coube ao ídolo retribuir o carinho e entregar uma placa comemorativa ao camisa 2. Junto ao Galinho de Quintino, o neto Felipe entrou em campo com Léo Moura, como o dono da festa fazia quando criança.

A torcida fazia a festa e cantava o tempo todo "Oooooo... Léo Moura eterno!", emocionando o lateral. "Não esperava este carinho, foi muito importante esta passagem de 10 anos no Flamengo. Só tenho a agradecer por ter vivido tudo isso", agradeceu ele na saída do campo.

Ao ser substituído aos 11min do segundo tempo e ouvir os gritos de "Fica, capitão", Léo Moura fez questão de dar um abraço em Pará, novo titular da lateral direita, e retribuir com aplausos e sinais de reverência aos torcedores. O zagueiro Wallace herdou a braçadeira.

O técnico Vanderlei Luxemburgo ganhou um forte abraço. No banco de reservas, visivelmente emocionado, Léo Moura colocou uma bolsa de gelo na panturrilha direita. Os dirigentes do Fort Lauderdale Strikers foram ao Maracanã ver o novo camisa 10 do time americano.

Pelo Flamengo, ele faturou duas Copas do Brasil (2006 e 2013), um Campeonato Brasileiro (2009) e cinco Estaduais (2007, 2008, 2009, 2011 e 2014). Léo Moura é o sétimo jogador que mais vestiu a camisa rubro-negra.  A vitória diante do Nacional foi o último capítulo da história do lateral e foi vista por 30.620 apaixonados (renda de R$ 938.355,00 e público pagante de 27.031).

 

Gols

Flamengo 1 x 0 Nacional-URU - 20min do primeiro tempo
Eduardo da Silva recebeu passe do lateral direito Léo Moura e bateu forte para abrir o placar.

Flamengo 2 x 0 Nacional-URU - 10min do segundo tempo
O meio-campista Luiz Antônio finalizou forte e acertou a trave! No rebote, Matheus Sávio ampliou.

leomouraaplaudegilvandesouzaflamengo

Fala, capitão

As lágrimas e a voz embargada davam o tom de que o último capítulo estava sendo escrito. Léo Moura não conteve a emoção e a volta olímpica coroou as dez temporadas e os oito títulos conquistados com a camisa rubro-negra. E o jogador mandou um recado ao torcedor.

"É um até breve porque quero encerrar minha carreira com a camisa do Flamengo. Estou feliz e muito agradecido a Deus por viver este momento que não esperava. Quero voltar, não sei quando, mas para vestir a camisa do Flamengo. Quero só um jogo e terminar com a camisa do Flamengo, pois não me vejo vestindo outra camisa", avisou.

"Este carinho eu não esperava e faço questão de dar a volta olímpica para agradecer um a um. Procuro retribuir este carinho da melhor forma. Não tenho palavra para agradecer, mas eu é que tenho que agradecer (pausa e choro). Agradeço a Deus e a este público maravilhoso que sempre esteve ao meu lado quando mais precisei", retribuiu o jogador.

Os "ex-companheiros" fizeram questão de exaltar a postura do camisa 2. "Ele merece toda a festa que a torcida fez porque é um cara fenomenal e de um caráter excepcional. Léo Moura merece tudo que foi feito", ressaltou o zagueiro Bressan. "Por tudo que fez no Flamengo, isso é pouco. Ele viveu 10 anos e ganhou muitos títulos", lembrou o goleiro Paulo Victor. 

Novo clube
“Conheço o clube pelo site e pelas pessoas que trabalham lá, Vai ser um desafio grande e novo, o que me deu uma sobrevida grande no futebol. Espero estrear com o pé direito e ter sucesso como foi no Flamengo. Sempre quis dar um futuro para minha família e está pintando uma boa oportunidade para isso. Quero viver bem, desfrutar daquilo que não pude ter e vou dar o meu melhor por lá. Vou viver nos Estados Unidos pelos próximos três anos, mas vamos esperar o tempo passar. Sou movido a desafios e quero fazer história. Vou para ajudar o time a transformar esta liga como a MLS. Este foi o desafio passado e espero conquistar mais este desafio”.

Pará e os conselhos
“Fiz questão de dar um abraço no Pará e disse para ele ter paciência e focar nos objetivos, pois ele pode se tornar ídolo também no Flamengo. Ele tem futebol para isso e os companheiros têm que ajudar nesta conquista de espaço. Espero que tenha todo sucesso e ganhe títulos. Desejo aos meus companheiros toda a sorte do mundo”.

Emoção a caminho do Maracanã
“Vim chorando da concentração até aqui e mais ainda quando vi a torcida toda no portão. Quando entrei em campo, chorei mesmo, mas queria aproveitar os últimos momentos com a camisa do Flamengo vivendo este momento maravilhoso com os companheiros. Hoje, no ônibus, os jogadores falaram que sou exemplo. Isso me deixa emocionado e feliz porque sempre fui a mesma pessoa, humilde, sincera e que sempre ajudou aos que chegavam”

Homenagem do Zico
“Receber uma placa do Zico e um quadro que ele fez questão de fazer me deixou muito emocionado. Quando vestir a camisa 10 é para homenagear esta nação, que estará sempre comigo nestas dez temporadas”.

Agradecimento
“Não acreditei que tinha tanta gente. Vi o quando sou querido pela torcida e este jogo vai ficar marcado na minha vida. Foi emocionante e agradeço à diretoria e ao marketing por esta oportunidade. Não posso citar um só, não. Seria ruim da minha parte fazer isso. Dedico a todos por este momento, pois cada companheiro me ajudou a ter este sucesso. Diretores e treinadores também foram muito importantes. Entrei em um hall de jogadores que se despediram e agradeço a todos”.

Novo capitão
“A escolha é do treinador, que é quem define para quem vai ser o capitão. Ele, Paulo Victor, Cáceres e Alecsandro têm este espírito de liderança, mas no Wallace vai estar bem representada”.

Estilo moicano nos EUA
“O cabelo vai continuar o mesmo na terra do Tio Sam e espero ter este sucesso nos Estados Unidos”. 

Carinho da torcida

As redes sociais também registraram a data. No Twitter, a hashtag #aultimadomoicano virou um dos temas mais comentados mundialmente, tanto por flamenguistas quanto por torcedores rivais, que mostraram respeito pelo lateral.


Site Terra

EM COMPETIÇÃO NA CIDADE RECIFE/PE, PARATLETAS SOBRALENSES CONQUISTAM MEDALHAS E EXCELENTES RESULTADOS

JR TORRES
A equipe sobralense, encerrou nesse domingo, 1º, a participação na Fase Regional do Circuito Caixa Loterias, etapa Norte-Nordeste, em Recife/PE, com muito a comemorar. 
 
O grupo formado por seis atletas voltou para casa com 11 medalhas, sendo 03 de ouro, 02 de prata e 06 de bronze em provas do programa dos Jogos Paralímpicos do Rio-2016. Além disso, os sobralenses conquistaram outros resultados nas provas de Natação e Atletismo, entre os mais de 490 competidores dos 16 Estados que compõe a região N/NE do país.
A delegação sobralense foi representada pelos atletas João Marques Torres Júnior, Allison Roque Silva, José Maurício Cavalcante Júnior, Francisco Fabrício Ribeiro de Melo, Juliana Lima do Nascimento e Benedito Linhares.
 
O Circuito é a principal competição paralímpica nacional para halterofilismo, natação e atletismo, e foi realizada no Centro Esportivo Santos Dumont, em Recife/PE.
A equipe agora busca apoio para a participação do Open Internacional Caixa Loterias 2015, que será realizado na cidade de São Paulo/SP, no período de 23 a 25 de abril, e faz parte do calendário internacional das duas modalidades de Natação e Atletismo.
 
Todos os atletas são participantes de projeto de inclusão esportiva promovida pela Secretaria de Esportes de Sobral em parceria com o Centro de Profissionalização para Pessoas com Deficiência (CEPID), do Governo do Estado do Ceará.
 
 www.aspasobral.blogspot.com.br

LUXA 'ESPANTA' FESTA PARA LÉO MOURA E COBRA SERIEDADE CONTRA BOTAFOGO

vanderlei-luxemburgo-comanda-treino-do-flamengo-na-pre-temporada-em-atibaia-sp-1421275207456 615x300

O técnico Vanderlei Luxemburgo não quer saber de festa pelo lado do Flamengo no clássico do próximo domingo, contra o Botafogo, às 16h (de Brasília), no Maracanã. O confronto marca o último jogo oficial do capitão Léo Moura com a camisa rubro-negra antes da transferência para o Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos.

A comissão técnica imagina que a torcida promoverá homenagens ao jogador apesar de a despedida ter sido marcada para quarta-feira (4), em amistoso frente ao Nacional-URU, também no Maracanã. Luxa fez questão de esvaziar o clima de festa e cobrou seriedade para o compromisso válido pelo Campeonato Carioca.

"Será o último jogo oficial dele no domingo, mas não é a despedida. Ele vai ter que jogar e corresponder. Não vamos poupar. O Léo está aí sabendo o risco que corre", afirmou.

"Esse negócio de festa é com vocês [imprensa]. Nunca foi falado pelo lado do Flamengo que esse jogo será uma festa", completou.

O Flamengo não contará com Everton, Cáceres e Anderson Pico. O trio se recupera de lesões e só deve estar à disposição para a rodada do outro final de semana. Vanderlei Luxemburgo pediu respeito ao Botafogo em sua análise, já que o rival era visto como a quarta força no início da competição.

"Tem que respeitar o peso da camisa. Vai ser um jogo difícil, de tradição e duro como sempre foi. A camisa pesa muito nessas horas", encerrou.

UOL

CAMPEÃO BRASILEIRO COMANDA TIME DE PASTOR E COM FOLHA DE R$ 200 MIL

andrade-ex-treinador-do-flamengo-1301524528657 615x300

Campeão brasileiro pelo Flamengo, há cinco anos, Andrade ostentava o título de técnico revelação do futebol nacional. Á época, preparava o plantel rubro-negro para a disputa da Libertadores da América e gozava das benesses trazidas a tiracolo do sucesso.

Passada meia década daquela conquista, o atual cenário parece não brindar as bodas dos seus melhores dias. Andrade, hoje com 57, está à frente do Jacobina Esporte Clube, time que retornou este ano à elite do futebol baiano após mais de 20 anos ausente.

As dificuldades da nova empreitada são inúmeras. Passam por falta de estrutura do clube, dificuldade na inscrição de atletas e, segundo o comandante, constantes erros de arbitragem.

Depois de uma exaustiva semana de viagens, porém, Andrade chegou a uma nova conclusão irreversível: "passamos mais tempo no ônibus indo treinar do que efetivamente treinando", diz, ligeiramente contrariado.

A explicação é simples. O Jacobina não tem campo de treino no município ao qual presta homenagem. A solução é se deslocar por 111 km (ou uma hora e meia de viagem) até Senhor do Bomfim todo dia. O treino dura cerca de duas horas. Depois, ainda tem a volta. Resultado: 3 horas de deslocamento x 120 minutos de atividade com bola.

Este impasse, acredita o técnico, tem gerado consequências diretas no desempenho da equipe no torneio estadual. Passadas quatro rodadas de seis da primeira fase, o 'Jegue da Chapada' figura na zona de rebaixamento como o vice-lanterna da competição -- com três pontos somados, mas nenhum triunfo.

"O time está evoluindo. Fizemos um grande jogo diante da Juazeirense fora de casa. E iríamos ganhar, mas o Davidson (meia da equipe) perdeu um gol de cara no fim do jogo. Acho que deu um branco e ele esqueceu de definir o lance", lamenta.

Andrade conta que na estreia do Jacobina o time tinha apenas 13 jogadores inscritos para a partida ante o Galícia, em Feira de Santana. "Não conseguimos inscrever a maioria dos atletas e entrei em campo só podendo fazer duas substituições. Joguei com um lateral-esquerdo improvisado de zagueiro e um lateral-direito na ala esquerda. Ainda assim arrancamos um empate heroico".

Fé e mistério

O contrato de Andrade com o Jacobina vai até o fim do estadual, previsto para maio. Sua vinda ao clube foi intermediada pelo Pastor Manassés, hoje deputado estadual pelo PSB.

O religioso, que ganhou notoriedade no estado por manter um centro de recuperação para viciados em drogas, fundou uma empresa de marketing esportivo e  se incorporou ao Jacobina. Meses antes, Andrade havia deixado o São João da Barra sem conseguir fazer o time ascender da Série C do Carioca. 

O convite veio sem recusas. O pastor prometeu um time competitivo para se tornar a terceira força da Bahia, disputar a Série D do Brasileiro e uma excursão para a China no final do ano. "O projeto era ambicioso. Me senti desafiado e fui", conta o treinador.

Andrade mora desde dezembro sozinho em Jacobina. A mulher e os três filhos ficaram no Rio de Janeiro e, desde então, só vieram uma vez lhe visitar.

"Sou um cara fácil de me adaptar. O Rio é uma cidade grande e Jacobina bem pequena. Às 22h já não tem nenhum movimento na rua. O jeito é ficar vendo televisão dentro de casa", ri.

Seu salário é cercado de segredos. O presidente do Jacobina, Rafael Damasceno, diz não saber o valor. "A empresa do pastor Manassés fechou diretamente com ele. São eles que pagam o salário de Andrade. Não sei dizer quanto", diz.

Já o técnico, quando perguntado, prefere omitir. "É um assunto pessoal. Não gosto de falar disso", prega. A folha salarial do Jegue da Chapada é de R$ 200 mil, montante referente a 33 atletas do plantel.

Restam dois jogos para o Azulino não disputar os play-offs do rebaixamento. Andrade se diz confiante em virar o jogo e, de forma sintomática, relembra seus melhores momentos para fazer o pensamento transcender à dificuldade.

"Quando estava no Flamengo ganhei um campeonato em quatro meses. O Palmeiras estava 14 pontos na frente da gente e fomos lá buscar o resultado. Sempre é possível", fala.

Enquanto o ônibus viaja de Jacobina a Senhor do Bonfim o pensamento de Andrade corre junto para fazer o tempo passar. Não é difícil apostar que, em algum momento, repouse nostálgico naqueles anos dourados de 2009.

UOL

TITE MUDA ESQUEMA E ESCALA CONRINTHIANS COM GUERRERO E LOVE PELA 1ª VEZ

paolo-guerrero-atacante-do-corinthians-treina-com-os-companheiros-no-ct-joaquim-grava-1423860831635 615x300

O Corinthians terá um desenho tático diferente e seus dois jogadores de maior peso juntos, pela primeira vez, no domingo. É a indicação de Tite no treinamento desta sexta-feira, preparação para o duelo contra o Mogi Mirim no Itaquerão. 

Para acomodar Vagner Love e Paolo Guerrero juntos no ataque, o treinador alterou o sistema 4-1-4-1 para um 4-4-2 simples, com duas linhas e uma dupla de ataque. Essa também é uma indicação de que Danilo será poupado para jogar como homem mais adiantado na quarta-feira em visita ao San Lorenzo. Guerrero está suspenso para esta partida, mas Love tem condições. 

Já no Corinthians projetado por Tite para o duelo do Campeonato Paulista, Mendoza joga como lateral esquerdo e Petros, como volante, ao lado de Cristian. As improvisações se devem à limitação no número de jogadores inscritospara a competição. Nas demais funções, só dois jogadores cotados para atuar na Argentina também atuarão no domingo: Cássio, no gol, e Jadson, meia direita. 

Como novidade, Tite também teve o retorno de Emerson Sheik, de fora dos últimos treinamentos por uma inflamação no joelho direito. Nesta sexta, ele foi utilizado como coringa para jogar ao mesmo tempo pelos times titular e reserva. A tendência é que seja relacionado e fique no banco contra o Mogi.

O Corinthians treinado para o domingo tem: Cássio; Edilson, Yago, Edu Dracena e Mendoza; Jadson, Petros, Cristian e Malcom; Guerrero e Love. 

Para o duelo pela Libertadores, a tendência é de que joguem: Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Uendel; Ralf; Jadson, Renato Augusto, Elias e Emerson; Danilo.

UOL

Fale com Clevis Oliveira

DSC 00621

Entre em contato conosco:

E-mail: plantaoalerta@gmail.com

Whatsup: (88) 9254 - 1990

Publicidades

plasfran

superzoim

versof